segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

CARTA DO EXÍLIO - PARTE II

CONTINUAÇÃO DE ONTEM...
Bem André, sei também que algumas vezes contrariei o meu querido Pastor Caio Fábio devido aos entraves que tinha com o "dono de todas as razões", Sr. Rubém Cesar Fernandes. Como você acompanhou de perto alguns entreveros que tivemos e as manipulações que ele era capaz de fazer para aparecer, considero indispensável explicar-lhe algumas coisas. Deus sabe muito bem quem é quem nessa história toda. Só gostaria que você conversasse com o Caio Fábio e explicasse para ele que tenho minhas razões e que num momento oportuno escreverei para ele uma carta narrando os porquês. E também que ele pedisse ao Sr. Rubem Cesar que se ele não quiser ter mais problemas comigo, que o mesmo definitivamente esqueça a Casa da Paz, porque como fundador e idealizador daquela instituição e atual presidente eleito pela própria equipe da Casa da Paz, não admitirei qualquer intenção de intervenção desse antropólogo-antropófago na instituição que presido. Para mim, ele não passa de um mau-carater que boicotou nosso trabalho como podia, além de tirar muito proveito para seu elitista "Viva Rico". Desculpe-me a franqueza das palavras, mas é triste saber que ainda existem pessoas, que como amigos, são piores do que o mais crápula dos inimigos. Se o Pastor Caio Fábio não se sentir a vontade de fazê-lo, eu pessoalmente irei escrever uma carta para a "Comissão de Cidadãos" do Viva Rio e narrarei todas as minhas justificativas.
Amigo, apesar de ter sido obrigado a ficar no mais absoluto silêncio nesses oito primeiros meses de exílio, devido as prioridades impostas pela nova circunstância de nossas vidas(arrumar casa, mobiliá-la, adaptar-se ao clima e comida, começar a aprender a língua, arrumar emprego, ver creche para Maíra, fazer palestras e chorar também), tenho boas novas. A primeira é que estamos bem de saúde e felizes porque aos poucos as coisas estão tomando o seu rumo. A segunda é que estou aprendendo inglês em tempo record - pois consegui uma bolsa de estudos no início de junho e estou fazendo um curso de inglês intensivo, aos poucos estou dominando a língua - leio razoavelmente, falo alguma coisa e também estou começando a escrever com mais destreza. A terceira é que depois de ter ficado oito meses como Visiting Scholar no Center For Internatinal Studies do Massachusetts Institute fo Technology, agora fui aceito para fazer um programa de nove meses no Departamento de Planejamento Urbano da própria universidade, o qual iniciarei agora em setembro e que será válido como crédito para mestrado e, melhor ainda, com direito a uma bolsa de estudos da Inter-Americam Foundation. A quarta é que estamos sendo calorosamente acolhidos pelos membros da prestigiosa e respeitada Anistia Internacional, em especial pelo Grupo 133 de Somerville, da cidade onde moramos. Eles tem sido fundamentais em todos os aspectos, desde prover recursos para pagamento de orientação quanto a trabalhos, tradução das minhas palestras, até as também indispensáveis coisas da vida: diversão, arte, cinema, música, festa, praia, caminhada e cervejinhas. Tudo para que nosso primeiro ano de exílio seja o menos traumático possível. A Maíra, é claro, se transformou na xodó e mascote do Grupo. A quinta coisa interessante é que a Claudia está suportando bem este primeiro ano e até está surpreendentemente dando-me muitos conselhos para que eu seja mais responsável e mais família. Ela está sendo uma mulher e tanto, estou reaprendendo a amá-la e a dar-lhe o valor que ela realmente sempre mereceu. Eu nem sei se a mereço e nem imagino o que seria de mim sem seu amor e compreensão. Ela tem sido para mim muito mais do que esposa, tem sido uma verdadeira companheira, amiga, psicóloga, amante, namorada e mãe. Agora posso afirmar que só o amor é capaz de fazer com que um mulher se prive de todas as coisas que tinha para acompanhar seu companheiro por causa de seus sonhos e irresponsabilidades. Ah, ela estava trabalhando aqui numa High School e tinha parado devido a problemas de documentação, mas deve retornar agora em setembro. E a última novidade é que sua afilhada Maíra está cada vez mais encantadora e linda e está começando a falar inglês. Ela só me chama de dad Caio e a Claudia de mom. Além de pronúnciar perfeitamente Thank You, de contar até dez em inglês, de cantar glamourosamente Happy Birthday, além de falar uma dezena de palavras que este incompetente pai agora não lembra. Meu maior medo agora é que a danadinha falará mais e mlhor o inglês do que os burros velhos do Caio e Claudia.
Bem amigo, depois de ter falado um pouco de como estamos aqui, gostaria de saber como anda as coisas com você? Com sua nova casa? Você está namorando? E sua elétrica e eletrizante mãe? E com a Fábrica de Esperança? E novos projetos da Fábrica? E o "Exército da Esperança", está funcionando? E a Cristina Cristiano, continua a frente da coordenação da Fábrica? E o ex-assaltante de bancos e agora irmão, Gordo, está trabalhando em algum projeto da VINDE? E a campanha Rio Desarme-se, ocorrerá este ano? E suas opiniões sobre a Casa da Paz, nesses oito meses de minha ausência? E o sucesso que está fazendo a Cristina Leonardo no Brasil? E o Viva Rico? E com a politicagem do Rio? E com as favelas? E o ditador do General Cegueira, continua dando prêmios e condecorações por cada favelado morto a seus corruptiveis policiais? E o Hélio Lamparina, Secretário de Polícia Civil, continua com a cara de hippie woodstockiano? E o truculento e conivente Cel. Marcos Paes? E o Bisbo Macedo ("Se Deus é o caminho, Bispo Macedo é o pedágio")? E os ETs de Varginha? Ligue-me, mande-me um fax, um e-mail, escreva-me mandando notícias suas ou mesmo mande um simples cartão-postal dessa cidade mais linda do mundo. Enfim, mande-me uma todo de você e sua mãe para que vocês façam parte do nosso álbum de seletos amigos. Claudia e Maíra estão mandando milhares de beijos e abraços para você, sua simpática mãe e todos os amigos da Fábrica de Esperança e da VINDE. Se eu pudesse parafrasear as escrituras sagradas, diria: "E vinde a mim os amigos de boa fé; e vinde a mim a alegria, venha de onde Deus quiser".
De seu sempre amigo de lutas e suas admiradoras,


Caio Ferraz


Claudia Caldas --------------- Maíra C. Ferraz

Um comentário:

Aninha disse...

O Viva Rio é podre... Fiquei curiosa pra saber dessa história! Bjs

Compartilhe!