quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

UMA DURA REALIDADE

Por Sir Dema
Hoje fui ao mercado GUANABARA fazer umas compras e deixei no caixa, para variar, uma boa parte do meu suado salário. Na saída fui a bordado por um guri de uns nove anos que começou a puxar meu carrinho, achando que o meu veículo estava na porta do mercado. Quando lhe disse que o carro estava no estacionamento, ele me respondeu que lá ele não poderia ir. Fiquei intrigado e perguntei: Porque você não pode ir no estacionamento? Ao que ele me respondeu: O segurança não deixa. Disse-lhe: Então vamos comigo! Você é meu convidado a entrar no estacionamento! Ao que ele retrucou: O senhor fala com o moço? Sim!


Atravessamos a rua e logo o segurança se dirigiu ao guri: Você não...E eu: Não o que? Ele não pode entrar, diz o segurança. Ao que respondo: Ele é meu convidado, algum problema? Eu o convidei, ele esta comigo. O segurança retruca: São ordens do gerente! E eu digo: O gerente é um imbecil! O guri esta me prestando um serviço! Então porque ele não põe o guri para trabalhar no mercado no programa Jovem Aprendiz do governo federal? O segurança pasmo nada diz.
Moral da história: Para o gerente é melhor o guri assaltar na porta do mercado, do que ganhar o seu 1 real para ajudar os clientes a atravessarem a rua e colocarem a mercadoria no carro.

Fico indgnado com este tipo de situação, o guri se oferece para prestar um serviço, ele não lhe impõe o serviço, aceita quem quer. E mais! Qual o critério do gerente e do segurança para dizer quem entra e quem sai do estacionamento? E se fosse o sobrinho de Sir Dema, todo sujo de chinelos de dedos, sem camisa, e de bermudinha comprada na loja de 1,99 chegando do campo de futebol? Xiiiiii ia feder para tudo quanto é lado!


Indignação nestes casos deve ser um estado de espírito de quem presencia certas situações de injustiça. O gerente é um imbecil, o segurança uma anta e a rede de supermercados Guanabara gasta rios de dinheiro com propaganda nos grades jornais e redes de tv, pagando verdadeiras fortunas a artistas globais(nada contra), mas procura impedir o guri de nove anos de ganhar uns trocados honestamente, para comprar 1kg de feijão.

Esta é a lógica perversa de uma sociedade que não dá oportunidades aos menos favorecidos, mesmo quando estes procuram mostrar que estão imbuídos de boa vontade.

A verdade é: Se o guri não pode levar o carrinho até o estacionamento, em breve estará roubando os clientes, aí o segurança fará o seu papel e um dia não teremos mais notícias do guri. Aí o segurança cumpirá o seu papel e o gerente ficará satisfeito.

Um comentário:

Armando Maynard disse...

Quanto ao guri entrar sozinho no estacionamento, eu até concordo com o gerente, mas acompanhado e aceito pelo cliente, não vejo problema nenhum. É como você diz, gastam fortunas em publicidades e se sujam com coisas pequenas. Aproveito o gancho para falar dos Bancos:
Os mesmos gastam os ‘tubos’ em publicidade na Tv e não atendem bem aos seus clientes, impondo filas intermináveis. Aqui em minha cidade (Aracaju-SE), existe uma "Lei municipal" conhecida pela Lei dos 15 minutos, que limita o tempo que os clientes devem ser atendidos ao entrarem na fila dos caixas. Quase sempre essa Lei é desrespeitada pelos estabelecimentos bancários, e tome comercial na televisão, a dizer a todo instante, que fazem o melhor pelo cliente. Além de cobrarem os maiores juros do mundo, ainda acham que os clientes são burros.Um abraço, Armando

Compartilhe!